quarta-feira, Outubro 01, 2014

... Não operei o nariz. Encontrei uns óculos!


... Adoro este meus Dolce Gabanna que encontrei na Occi, Gosto porque gosto, e porque dificilmente vou encontrar outros que me fiquem tão bem e consigam encaixar perfeitamente no nariz torto que Deus me deu! Se eu encontrei qualquer alma com bom gosto encontra, e depois a equipa está lá para ajudar. São porreiros, profissionais e não chateiam nada. Espreitem!


... Eu e as minhas coisas!




terça-feira, Setembro 30, 2014

... O vestido que faltava!


... Não que eu seja bruxo, que não sou mas aqui estão as fotos do tal exclusivo que vos tinha falado e que iriam aparecer mais dia menos dia. Bastaram dois e o resultado da obra de Oscar de la Renta está na Hello! e na People (se bem que me disseram que a Vogue ficaria com o exclusivo só para ela, como se vê não escrevo por escrever!). Tanto secretismo do vestido de noiva serviu para proteger as fotos que ao que tudo indica foram vendidas por um bom valor que reverterá a favor de uma causa justa, humanitária e nobre. Parece-me lindamente! O que acho do vestido? É bonito, em pérola como tinha já dito, e que não surpreende. Não é um vestido de arraso, e sendo a noiva uma mulher cheia de estilo, até decepciona um bocadinho este vestido, que não deixa de ser bonito e romântico, mas que aborrece porque não é altamente criativo. Ela não é uma princesa, é a mulher de George Clooney. O cabelo não estava mal. Estava pior!

... Eu e as minhas coisas!


segunda-feira, Setembro 29, 2014

... Casou o último galã!



... Casou o ultimo galã do cinema. George Clooney levou ao altar (que é como quem diz ao hotel) a namorada Amal, que de um momento para o outro ficou uma das mulheres mais invejadas do mundo. A festa do casamento durou três dias em Veneza, mas só nesta segunda feira será oficializado como manda a lei. Achei um exagero o facto de se querer manter em segredo um vestido, já que no dia seguinte saíram lindos e airosos a desfilar para meio mundo e quinhentos fotógrafos. Achei um disparate, achei falta de respeito para com a imprensa e não me parece que alguém como George tenha que compactuar com este tipo de coisas... Resumindo: no dia seguinte apareceram lindos, o facto é que o vestido usado para se exibir à imprensa com anel de noivado era lindo e lhe ficava bem. Gosto das cores, da irreverência, do corte.. Era do criador Giambattista Valli, o do dia do casamento seria uma criação pérola assinada por Alexander Mcqueen, que aposto veremos um dia destes num exclusivo qualquer. 

... Um deles será!



... Descobri este casaco na colecção da Zara deste ano mas estou indeciso na compra, porque além deste vi mais estes dois. Em comum - além do preço e bom aspecto -  têm o capuz com a gola debruada a pele e eu quero um assim... qual deles virá morar comigo?



domingo, Setembro 28, 2014

... Colorir porque sim!



... Gosto de cor. Gosto de a sentir chegar a caminho de nada. De deparar com ela ao virar da esquina. A nossa vida, não está muito longe da realidade de uma esplanada. Colorida, imensamente colorida   depois fica sem cor por conta da chuva e do uso. Alegre como as pessoas que se sentam nela e triste como fica quando todos se levantam dela e a deixam ali. Cheia de cor, mas sozinha... e muitas vezes molhada.


sexta-feira, Setembro 26, 2014

... Uma questão de ponto de vista!



... Acordar numa cidade estranha a nós é ter a certeza que o mundo não acaba no nosso horizonte. Poderá simplesmente não ter horizonte e na melhor das possibilidades acordar numa cidade estranha é ter a certeza que o horizonte de cada um é feito à medida do seu olhar. Sendo que nunca somos aquilo que vimos sem lhe acrescentarmos o que sentimos acordar noutra cidade pode ser apenas acordar com o horizonte igual ao que temos numa que não nos seja estranha!... Depende sempre da nossa grandeza de sonhar. Quando a há!

quinta-feira, Setembro 25, 2014

... Eu e os meus botins!


... Tenho estes botins há alguns anos. Talvez três. São da Nobrand, uma marca portuguesa que calcei durante um tempo. Adoro-os, porque adoro esta cor em botas. Tem um conforto maravilhoso, tem o tamanho ideal, o corte perfeito, são super confortáveis e rematados com o detalhe do fecho atrás. Acho-os todos pintosos. Resultam muito bem se as calças forem curtas, ou arregaçadas como as uso, senão eles perdem a graça!


... Desabafo!

... Terei um milhão de defeitos mas sinto-me orgulhoso da minha estranha maneira de ser, de fazer e de amar. Sou autêntico, pago uma factura muito alta por ser e cobro um preço que poucas pessoas hoje estão dispostas a pagar. Acho que a vida só faz sentido assim. Não me parece justo viver condicionado com o que os outros acham e acho sempre pertinente dar o meu ponto de vista. Aceito pontos contrários ao meu, claro que sim! Mas não aceito opiniões duvidosas. Não sei se me faz muito sentido dizer que sim a uma coisa agora e que não mais daqui a nada, apenas para agradar quem ouve. Não gosto de o fazer, não tenho de o fazer e não o quero fazer. Pelo menos não com as pessoas que me valem a pena. As que amo, as que gosto, as que admiro... Aquelas de quem também espero sempre uma opinião verdadeira e crua. Não preciso do contrário. Quero sempre a verdade. Vai doer-me menos que me digam agora uma verdade do que mais tarde me desiluda com a mentira. Também sei que o meu carácter muitas vezes não trava por não reconhecer o limite e não tem a sensibilidade de perceber o momento certo de dizer uma verdade ou magoar involuntariamente uma pessoa com ela. Lá está! É o tal preço a pagar de um lado e outro. Não consigo imagina-me de outra forma e todos os dias me chamam a atenção, todos os dias perco algo com isso... Mas a verdade é que quem me conhece a intimidade, me elogia a maneira de estar na vida. Prefiro ficar com essa parte. Com o elogio, que sinto ser verdadeiro. Se quero perder? Não. Nunca! Mas não me quero perder a mim. Sobretudo isso. Ha cinco coisas onde sou muito bom e das quais me orgulharei sempre. Pai, Irmão, amigo, namorado e profissional. Com erros e acertos tento nunca decepcionar quem ocupa estes lugares. Em cada história destas vidas noto-lhes um caminho que só foi possível porque existiram erros até se acertar. Erra-se muitas vezes. Regra geral os meus erros são cometidos por excesso de zelo pelos que amo e quero proteger e pela pouca capacidade de delegar. Talvez seja da rígida educação que tive. Absorvi tudo muito cedo... Entendo que nem todos são como eu no que toca à maneira de estar na vida, nas amizades, nas relações... Mas também peço que me entendam que esta rigidez de carácter raramente me irá deixar falhar com os que quero, amo e protego. Esse pequeno grupo de gente que faz parte do meu mundo. Pessoas que quero felizes e também por isso acredito que quem está no meu mundo de afectos tenha a obrigação de me aceitar e amar, porque sabem que da minha maneira atravessada de amar fazem parte um milhão de defeitos! 

Eu!... A muitos km acima da terra que me segura os pés e muito perto das nuvens que não me deixam parar de sonhar. Incoetente coerência esta.

quarta-feira, Setembro 24, 2014

... Olha para eles tão felizes!


... Eu não sou maldoso nem de perto nem de longe me importo se as pessoas vivem crises nas relações ou se vão d evento em popa. Mas depois de tanto se comentar que Cristiano Ronaldo estava com o namoro por um fio com Irina Shayk, depois dela dizer que ele era 'meloso demais' e de ele assumir que não estava preparado para casar... ver estas fotografias publicadas na imprensa (em Portugal pela revista Caras) faz-me pensar que raramente as coisas são por acaso. Não será demasiado oportuno que Irina vá buscar, com o namorado, o filho do craque à escola? A mim - que sei mais ou menos como isto funciona - parece-me que existe aqui a vontade de reforçar que os dois estão felizes como perdizes e que Irina tem o seu 'território' controlado. Ou não?... Mas também podia comentar a sua indumentária e boa disposição. Mas as imagens falam por si!